Archive for the ‘Computação’ Category

Dual Channel = Dor de Cabeça

2 de dezembro de 2012

Durante o período em que estive ausente, o computador que tinha queimou a placa mãe. Como foi só a placa mãe que queimou, comprei outra: uma Asus P7P55D-E PRO, mas tive que comprar também memória e um processador novo, pois o processador e memória antigo que tinha não eram compatíveis e já estava precisando dar uma atualização nos componentes.

Até aí, tudo bem, mas logo depois começou a dor de cabeça: essa placa mãe, apesar de falar que aceita a tecnologia Dual Channel (Canal Duplo), simplesmente não funciona de jeito nenhum, não importando o tipo de memória.

Comprei duas memórias da marca Kingston, de 2 gigabytes, as coloquei no lugar descrito no manual para o funcionamento do Dual Channel e simplesmente não funcionou. Até achei que fosse porque o modelo é um pouco diferente, afinal, a maioria das placas mães, apesar de aceitarem os modelos da Kingston, podem não funcionar o Dual Channel , pois há casos em que o esta tecnologia funciona somente com o modelo exato descrito no manual e outros que não.

Daí, comprei um modelo exato descrito no manual dessa placa mãe: uma Patriot PGV34G1333ELK e mesmo assim não funcionou, pelo contrário: o computador simplesmente reiniciava toda hora. Foi dinheiro jogado fora.

Procurei em fóruns soluções para esse tipo de problema em fóruns e vi que muita gente também tem problemas com essa tecnologia.

Tentei muitas soluções encontradas: testar várias combinações nos slots da memória, testar várias outras marcas diferentes de memórias, limpar o processador e até mesmo ver se tinha algum conector do processador torto, e nada adiantou.

Enfim, essa tecnologia Dual Channel é uma dor de cabeça em muitos casos, não é atôa que até as iniciais dessa tecnologia (DC) são as mesmas de dor de cabeça.

Tomara que as novas tecnologias de memória que estão desenvolvendo, como a DDR4, não tenham mais essa tecnologia e arrumem um outro jeito para que a memória trabalhe com toda a sua potência.

Anúncios

Uma visão rara

25 de dezembro de 2010

Na verdade não é tão rara assim.

Na internet existem sites bem extranhos como um site que mostra a foto de um pudim, um site que faz o cursor do mouse se incendiar, um site em que você ouve uma músiquinha cantando ‘iiiiiiii’, um site que mostra uma gelatina e sua receita, um outro que mostra só uma gelatina e que você pode ‘toca-la’, um site que diferentes mensagens de erro que vemos em certas páginas, um site que às vezes pe vermelho e às vezes é azul, um site que mostra a filosofia do zig zag, um site que você atira com um esquilo a laser, um site que é areia, um site que é um grampeador virtual (você pode até selecionar os modelos) e vários outros sites inúteis por aí.

Há um também que serve unicamente para informar se é Natal, chamado “Is it Christmas?” e durante 364 dias do ano (365 se for bissexto), se você visitar o site, ele estará escrito “NO”, a não ser no Natal:

Um feliz Natal a todos, com muita paz, harmonia, felicidade a todos e lembre-se que temos que agradecer a Cristo TODOS OS DIAS, por estarmos bem e alcançando nossos objetivos na vida.

Bugs “que ninguém vê”: Índice de Experiência do Windows

10 de setembro de 2010

O Índice de Experiência do Windows é uma ótima ideia da Microsoft, pois com ele sabemos a qualidade dos componentes essenciais do nosso PC (processador, memória, placa de vídeo e HD) através das notas que ele dá a cada um deles.

Esse índice surgiu no Windows Vista, lançado em 2007 e desde esses tempos tenho notado que o Windows costuma dar notas um pouco diferentes para o mesmo hardware.

No começo achei que era por questões de drivers e atualizações do Windows, pois os drivers, assim como as atualizações podem trazer muitas otimizações, de modo que o hardware fique mais acelerado e o Windows dê uma nota maior.

Mesmo assim, fui estranhando o Windows sempre variar em um décimo a nota do meu HD, às vezes dando 5,8 e às vezes dando 5,9 e variar também na placa de vídeo. Sei que é pouco, mesmo assim pode fazer diferença e isso acontece tanto no Windows Vista como no Windows 7.

Durante o feriado da Independência do Brasil, resolvi fazer algo ousado: como meu PC estava cheio de coisas desnecessárias e precisando urgentemente reinstalar o Windows resolvi formata-lo e assim que formatei, atualizei o Windows, instalei o driver mais recente da placa de vídeo NVIDIA Geforce 8600 GT (258.96) e depois avaliei as notas dos componentes, mas depois que avaliei bati um print screen da tela e formatei de novo para ver qual nota o Windows ia dar e pude ver que o Índice de Experiência do Windows realmente dá notas diferentes para o mesmo hardware, com os mais recentes drivers e atualizações e pude ver também que as variações podem ser até maiores.

Sei que no Índice de Experiência podemos simplesmente reexecutar a avaliação, mas na maioria das vezes que reexecutei o Windows continuava dando as mesmas notas, de modo que tinha que insistir e só depois de alguns dias a nota variou um pouco e eu não tenho tempo para isso, até porquê depois de alguns  dias, a pessoa certamente vai ter instalado ou atualizado algo no computador dela, de modo que a nota possa variar.

Confira:

Medição 1

Medição 2

Medição 3

Uma coisa que não pude entender também é o porquê que em cada instalação o Windows mostrou uma quantidade de espaço livre diferente (e sucessoras, risos) no HD, sendo que eu juro que a única coisa que fiz foi formatar, atualizar o Windows e os drivers, avaliar, bater um print screen e formatar de novo só para ver quais notas ele daria na próxima instalação. Vai entender.

Por quê isso acontece?

Porque pelo jeito os algoritmos de classificação das notas não são tão exatos assim, pelo menos o da placa de vídeo e do HD.

Solução:

Isso certamente depende da Microsoft, mas o melhor a se fazer é sempre manter os drivers e o Windows atualizados e caso você estranhe a nota, não precisa fazer a maluquice que fiz (formatar): simplesmente mande reexecutar a avaliação depois de um tempo e/ou ignore isso, afinal ninguém tem culpa se isso foi mal implementando.

O que foi usado:

Um computador com as configurações já mostradas acima, com um HD da marca Samsung HD161HJ e Windows 7 Ultimate 64 bits.

PS:

Pelo que vi, acontece em outros computadores com diferentes configurações também. Qualquer hora vou postar print screens de avaliações em outros computadores.

Graphviz: uma ferramenta incrível para desenhar grafos

8 de março de 2010

Quem estuda a área de exatas, mais precisamente computação, já deve ter ouvido falar de grafos: um conjunto de pontos (vértices) que podem ser ligados por linhas (arestas) ou, em uma outra definição, uma representação de um problema matemático.

Os grafos muitas vezes dão algumas dores de cabeça a quem estuda exatas, outras vezes não e até mesmo ajudam a solucionar problemas e se demonstram fascinantes.

Acontece que muitos estudantes e até professores da área de exatas não conhecem um jeito fácil de desenhar grafos e com isso acabam pegando exemplos já feitos na internet ou tentando desenhar no Photoshop ou no Corel Draw (algo que pode ser feito, mas pode demorar um pouco) e para isso existe o Graphviz que é um conjunto de ferramentas de código aberto desenvolvido pela AT&T para desenhar grafos. Ele está disponível para Windows, Mac OS X e Linux.

O desenho dos grafos é feito usando uma linguagem conhecida como “Dot Language” que é de fácil entendimento e o próprio site oficial do Graphviz tem a documentação e alguns exemplos incríveis com código fonte do que o Graphviz é capaz de fazer, como grafos simples, coloridos, dirigidos, multigrafos, árvores, autômatos, grafos de vários tamanhos, etc.

Quem está acostumado com vários tipos de linguagens de programação pode entender como funciona a linguagem rapidamente, basta ler a documentação ou pegar alguns exemplos menores, como alguns que há no site do Graphviz ou no próprio programa, lê-los e ir elaborando seus próprios grafos.

O exemplo abaixo é um grafo simples com 10 vértices e 17 arestas feito com o Graphviz:

E eis o código fonte, que é fácil de entender para muitos programadores:

/*
    Um pequeno exemplo de um grafo simples feito com o Graphviz.
*/

graph pequenoexemplo
{

/*
    Mais abaixo temos a ligação sendo feita entre os vértices para que o desenho
    grafo seja feito... o vértice 1 é ligado ao 2 e 3, o vértice 2 ao 3, 4 e 10
    e assim sucessivamente.
*/

  1 -- 2;
  1 -- 4;

  2 -- 3;
  2 -- 4;
  2 -- 10;

  3 -- 4;
  3 -- 5;
  3 -- 7;

  4 -- 5;

  5 -- 6;

  6 -- 7;
  6 -- 8;

  7 -- 8;
  7 -- 9;
  7 -- 10;

  8 -- 9;

  9 -- 10;
}

Como se pode ver, o Graphviz faz ótimos desenhos de grafos e é de fácil entendimento e pode facilitar muito os alunos na elaboração de trabalhos, artigos e monografias e os professores na hora de elaborar provas, trabalhos e exercícios.

Bugs “que ninguém vê”: Sonic The Hedgehog e Speedy Gonzales (Ligeirinho) do Super Nintendo

6 de março de 2010

Muita gente já deve ter ouvido falar do Sonic do Super Nintendo, jogo que ficou famoso e certamente enganou muita gente, pois esse jogo na verdade é um hack de um outro jogo do Super Nintendo: o Ligeirinho (Speedy Gonzales in Los Gatos Bandidos).

O Sonic do Super Nintendo foi criado por um grupo de hackers peruanos conhecidos como “The Eagle Group“. Esses hackers substituíram o personagem original do Ligeirinho, fizeram algumas modificações em algumas partes do jogo e trocaram a ordem das fases.

Creio que no Brasil, o Sonic fez muito mais sucesso que o Ligeirinho e muita gente provavelmente não soube que esse jogo era na verdade um hack.

Independente disso, se a alguém já jogou qualquer um desses jogos no computador, através de emuladores, deve ter notado que o jogo trava misteriosamente na fase do espaço, que no Sonic é fase número 6 e no Ligeirinho é a fase número 10 (com o nome de Galactical Galaxies).

O travamento acontece ao apertar um botão verde (o qual apelidei de ‘botão da morte’) no decorrer da fase.

Quem jogou qualquer um desses jogos no computador provavelmente reconhece a(s) cena(s) abaixo:

O jogo travando no Sonic the Hedgehog…

… e travando no Ligeirinho.

Por que isso acontece?

Provavelmente porque a emulação do Super Nintendo ainda não é 100%, tanto que se qualquer um desses jogos forem jogados no Super Nintendo essa parte não trava, o que demonstra que é algum problema na emulação atualmente.

Solução:

Uma gambiarra na fase, que será discutida em breve.

Softwares usados:

Emulador: bsnes 0.60

Roms: Sonic the Hedgehog (Unl) [h1] e Speedy Gonzales – Los Gatos Bandidos (U) (V1.1) [!]

PS: acontece com qualquer emulador ou ROM usado.

Atualização:

Agora não acontece mais em qualquer emulador ou ROM usado, pois a partir da versão 062.10 do emulador bsnes esse problema não acontece mais!!! Apesar disso, como foi falado, existe uma outra solução que é uma gambiarra na fase, que pode ser útil caso você use emuladores em que esse problema ainda não foi corrigido como o Zsnes ou Snes9x. Essa gambiarra já foi divulgada e pode ser vista clicando aqui.

Bugs “que ninguém vê”

17 de fevereiro de 2010

Como todos sabem, em informática, bugs são falhas em programas de computador, que acontecem durante a elaboração dos mesmos e que atrapalham, irritam e faz com que o usuário queira jogar o computador pela janela.

Pesquisando na internet encontramos muitas vezes pessoas reportando em fóruns bugs em um determinado programa, pessoas orientando e dando possíveis soluções, mas por alguma razão há certos bugs que não são reportados.

Muitos podem até alegar que a razão de certos bugs não serem reportados é porque acontecem com poucas pessoas ou porque raramente acontece, mas não creio que seja por isso… às vezes a pessoa até conseguiu contorná-los sem querer, ou, como muitos usuários, não soube achar um lugar para comentar sobre o assunto.

Com isso será inaugurada uma série chamada: “Bugs “que ninguém vê””. Os objetivos dessa série são mostrar alguns bugs que acontecem com alguns softwares, sejam eles programas de computadores muito conhecidos, sistemas operacionais, jogos, etc., e que poucas pessoas relatam. Com essa série pretendo também debater, dar soluções para esses bugs e quem sabe até mostrar as empresas os problemas de seus softwares (sim, é bom pensar alto!!!).

Quero deixar bem claro que muitos já devem ter visto os bugs que serão reportados sim (não é atôa que coloquei os aspas no título), mas que há poucos relatos sobre eles na internet o que pode deixar muitos usuários com dúvidas.